Revista Apneia – Esclarecimento da Direcção da APPSA

A APPSA não saúda o fim da revista Apneia, nem vinha movendo qualquer campanha contra a revista. A sua Direcção não encetou qualquer guerra contra a Apneia e, independentemente de discordar da postura do seu editor, sempre a considerou útil e bem feita!

Se alguém, entre a nossa comunidade, que nos esteja a ler, nos tiver ouvido alguma vez proferir algum comentário depreciativo sobre a revista ou se souber de alguma diligência que tivéssemos feito no sentido de a prejudicar, que o denuncie neste espaço!

Exigir um direito de resposta é, como o nome indica, um direito. E foi esse direito que o presidente da APPSA evocou ao ser depreciativamente referenciado, sem direito ao contraditório. Todas as publicações vivem com o direito de resposta e a revista Apneia não pode ser excepção!

Na verdade, as razões evocadas para a extinção da revista, são mentirosas! O seu editor podia ter-se despedido dos leitores com dignidade. Porém, preferiu fazê-lo à sua maneira: alijando a responsabilidade em terceiros, alimentando a guerra e a intriga que ele próprio iniciou há algum tempo e que despudoradamente insiste imputar aos outros.

Foi o editor da revista Apneia que iniciou uma cruzada contra a direcção da APPSA dias antes da última assembleia-geral; até aí existia cooperação! Ele acusou violentamente a direcção de antidemocratismo por não permitir o voto por delegação e correspondência, quando é o próprio Código Civil a proibi-lo. Ora, a APPSA não podia, a partir dessa altura, manter a cooperação com alguém que tinha de si este juízo de valor! Foi o editor da revista que saiu da esfera de cooperação da APPSA e não o contrário; obviamente, quem começa uma guerra não pode queixar-se de levar um tiro! Mas o «tiro» dado pela APPSA, foi um tiro de indiferença: simplesmente afastou-se! Porque uma coisa é não querer cooperar, outra é conspirar. A APPSA apenas não quis mais cooperar – só isso!

O último editorial da Apneia refere que a revista estava financeiramente sã e tinha cada vez mais leitores, mas que soçobrou devido às pressões da FPAS e da APPSA.

Mas alguém acredita nisto?…

A APPSA não só não tem o poder de acabar com uma revista, como, de resto, sempre entendeu que ela seria um valor acrescentado para a comunidade. E lamenta, sem a menor ponta de hipocrisia, este desfecho. Porque a Apneia era uma revista bem feita. O problema do seu editor não é de saber fazer – é de saber estar!